11 de setembro


Keynote 1 – Brantlee Underhill (PMI)

Apresentação Institucional sobre a evolução dos capítulos e do projeto de Transformação Digital do PMI

Keynote 2 – Margarida Smith (Odebrecht Engenharia e Construção)

Estudo de caso da implementação de programa de compliance.


Palestra 1 – Programa de Integridade, o porquê do seu projeto ter um.

Marco Antônio Portugal

  • Sobre o tema:
    • O que é Programa de Integridade?
    • Diferenças entre Programa de Integridade e de Compliance.
    • Programa de Integridade é para todas as empresas?
    • Implementação: Os cinco pilares.
    • Benefícios (além dos incentivos legais).
    • ISO 37001 : Sistema de Gestão Antissuborno.

Palestra 2 – Transformação Digital nas Empresas

Diego Acioly Dias

  • Sobre o tema:
    • Transformação Digital, envolvendo os elementos necessários para as mudanças, que são:
      • 1) Cultura Organizacional, Processos, Dados, Ferramentas , Clientes e Mercado;
      • 2) Governança Ágil, UX/Experience;
      • 3) Parcerias e estratégias na era da Transformação digital;
      • 4)Tendências para os próximos 5 anos.

Palestra 3 – Os Hormônios da Liderança

Solange Aguilera

  • Sobre o tema:

    Toda pessoa tem ao seu dispor uma máquina pouco conhecida e explorada: o cérebro. Aprenda como funcionam os hormônios, que impacto ele têm nas suas emoções e reações e como usá-los para influenciar o outro. Essa máquina que temos hoje começou a ser construída há milhares de anos. É através do entendimento de como o cérebro funciona que conseguiremos entender a nós mesmos, aos outros e aprimorar a nossa habilidade de liderança no mundo corporativo e no ambiente de projetos.


Palestra 4 – NO TOPO DO MUNDO - Um Gerente de Projetos no Everest

Cristiano Müller

  • Sobre o tema:

    Na palestra "No Topo do Mundo", o Alpinista e Ex-Executivo de multinacional Cristiano Müller nos conta em detalhes como aplicou muitas técnicas e boas práticas de gerenciamento de projetos para conseguir ter sucesso em seu audacioso empreendimento: escalar o Mt. Everest.
    Durante a execução do projeto No Topo do Mundo, enfrentou inúmeras dificuldades e situações desafiadoras. Além de todos os riscos, incertezas e adversidades que envolvem as expedições de alta montanha, tornar o projeto financeiramente viável em um cenário econômico extremamente desfavorável, como o que enfrentamos em 2015/16 não foi tarefa fácil. Entretanto, graças a um bom planejamento realizado, muita disciplina, e a implementação de algumas soluções criativas, disruptivas e inovadoras, o objetivo do projeto foi alcançado com êxito. E o que é melhor, dentro do orçamento previsto.


Palestra 5 – O gerenciamento de projetos como um facilitador no desenvolvimento de inovação nas empresas brasileiras

Jorge Luiz Araujo Fernandes Junior

  • Sobre o tema:

    O objetivo da palestra é contribuir para uma melhor compreensão da gestão da inovação e da sua relação dinâmica entre a gestão de projetos e o contexto organizacional. Apresenta a evolução da gestão da inovação praticada nas empresas brasileiras e sua correlação com a gestão de projetos. Também procura suscitar uma reflexão sobre a contribuição dos escritórios de gerenciamento de projetos (PMOs) no desempenho da inovação organizacional.


Palestra 6 – Governança Ágil de Portfólio de Projetos: No Contexto da Disrupção

Guilherme Tavares Motta

  • Sobre o tema:

    Nesta apresentação abordaremos, de forma prática, a adequação dos princípios fundamentais dos Métodos Ágeis na Governança de Portfólio de Projetos. Tal proposição visa possibilitar que o processo de tomada de decisão no âmbito do gerenciamento de portfólio, programas e projetos, torne a flexibilização na resolução de problemas e a colaboração entre as partes interessadas, mais relevante do que a rigidez de processos e planejamentos clássicos. Como destaque desta abordagem, observaremos o total alinhamento às iniciativas inovadoras, com atenção especial às inovações e projetos disruptivos.


Palestra 7 – Cadeia de responsabilidades em obras de infraestrutura, energia e mineração na era da Lava-Jato, Mariana e Brumadinho

Álvaro de Freitas Viana

Sobre o tema:
  • Descrição da cadeia de responsabilidades de grandes ativos englobando os stakeholders: governo/legislação, agências reguladores, órgãos fiscalizadores, proprietários/gestores de grandes ativos, prestadores de serviço e população.
  • O impacto da organização do setor públic: contratação pelo menor preço em detrimento da qualidade técnica, sucateamento dos órgãos fiscalizadores;
  • Executivos e gestores de grandes ativos também buscam postergar gastos/custos/investimentos, sobretudo com passivos e segurança, tendo em vista seus bônus de desempenho.
  • O que podemos fazer para melhorar?

 

12 de setembro


Keynote 1 – Alexandre Donner (Infoglobo)

"Agilidade ou Morte !"

O mercado e o mundo está cada vez mais volátil, complexo, incerto e ambíguo exigindo maior velocidade das empresas para que possam liderar a transformação em seu segmento de negócio. O que você está fazendo para que isso aconteça? A agilidade de ontem não garante mais uma boa performance hoje!

Keynote 2 – Mauro Viegas Neto (Concremat)

Estudo de caso da utilização de métodos ágeis na construção civil.


Palestra 1 – Agilidade na área Financeira e Backoffice

Felipe Seperuelo

  • Sobre o tema:

    Case de Sucesso de um projeto de implementação da metodologia Lean Office: Mapeamento de processos AS IS, Propostas de Operação TO BE, Acompanhamento operacional, Gestão de mudança cultural, apoio tecnológico de software de gestão de demanda e etc.
    Aplicado ao Backoffice de uma empresa de Telecom. Transformando os processos operacionais das áreas de Contas à  pagar, Faturamento, Impostos e Contabilidade.


Palestra 2 – Gestão de Projetos de tecnologia em ambientes complexos - Cidades Inteligentes

Carlos Alberto Pontes Franchi

  • Sobre o tema:

    Será apresentado um estudo de caso de um projeto complexo, Rio Cidades Inteligentes 2030 stá sendo desenvolvido pelo autor junto ao Laboratório de Informação, Tecnologia e Serviços (LITS) da UFF e a Câmara Metropolitana do Governo do Estado.
    Projetos complexos não tem um comportamento linear durante seu ciclo. O projeto não responde a métodos de planejamento, monitoramento e controle estruturados. A medição de valor agregado e da efetividade tornam-se um desafio devido a imprevistas incertezas durante o processo de construção e, portanto, os resultados poderão ser, na maior parte, inesperados. A gestão de projetos é essencial para se vencer este desafio e explorar um pouco o como fazer é o objetivo desta palestra.


Palestra 3 – O Profissional da Indústria 4.0 - AutogerenciÁgil

Jorge Elias Gomes Silva

  • Sobre o tema:

    Palestra baseada na enriquecedora experiência que tive nos meses de imersão no ecossistema do Vale do Silício e no UCI Applied Innovation, nos anos 2018 e 2019, enquanto cursava a University of California Irvine.
    Destaco ainda, algumas das valiosas experiências adicionais que aquele ecossistema me proporcionou, tais como a participação sendo membro do Clube de AI (Inteligência Artificial) e ter vivido a essência do verdadeiro networking praticado lá, com profissionais do Google, Uber, Microsoft, Tesla, Apple e Stanford.
    O objetivo da minha palestra é provocar insights disruptivos para desenvolver o Mindset do Empreendedor do Vale do Silício e a reflexão sobre os skills do profissional da 4ª Revolução Industrial.


Palestra 4 – Agilidade na Medicina: Aplicação de métodos ágeis em um hospital

Leonardo Baumworcel

  • Sobre o tema:

    A aplicação de métodos ágeis em hospitais permite ao aumento da eficiência de diversos setores do hospital. Estes métodos ágeis podem ser usados no gerenciamento de leitos de grandes hospitais permitindo de forma dinâmica ajustar setores do hospital a demanda segundo o perfil dos pacientes que se encontram na emergência e centro cirúrgico numa determinada unidade de tempo.


Palestra 5 – Complexidade e Incerteza: Até que Ponto estes Conceitos estão Incorporados à Gestão de Megaprojetos da Indústria do Petróleo?

Boris Asrilhant

  • Sobre o tema:

    Megaprojetos usualmente envolvem vultosos investimentos, significativa participação nos portfólios de grandes corporações e alto nível de complexidade.
    Esta palestra busca, primeiramente, apresentar os conceitos e as definições de megaprojetos, complexidade e incerteza, inter-relacionados e aplicados aos projetos de Exploração e Produção (E&P) da indústria do petróleo. Em seguida, serão indicadas novas áreas de conhecimento que podem se somar às tradicionais e atualmente em uso, classificadas a partir de três dimensões: (1) Integração, Colaboração e Corresponsabilização; (2) Gestão do Conhecimento e de Questões Técnicas; e (3) Governança e Conformidade.
    Em seguida, a palestra pretende apontar alguns problemas levantados e desafios enfrentados por gerentes de megaprojetos no setor de E&P. Em seguida, serão descritas as principais características dos principais Corpos do Conhecimento ao serem utilizados na gestão de megaprojetos de E&P e as lacunas existentes.


Palestra 6 – A Transformação Digital: do Conceito à Ação

Sergio Jaques Hartenberg

  • Sobre o tema:

    A palestra é uma provocação aos líderes executivos, atualmente enfrentando dificuldades para entender e se posicionar em relação à Nova Economia. Busca ressaltar que a Transformação Digital é uma jornada de modelo de negócio, devendo passar pelas fases convencionais de planejamento estratégico, análise da concorrência, das oportunidades, e da identificação de como os principais ativos/capacidades da empresa poderão ser aproveitados para o mundo digital. Quer se mostrar aqui a necessidade de uma reflexão estratégica, uma disciplina de condução e de mudança cultural para o sucesso da jornada.


Palestra 7 – Inteligência artificial x cultura Neandertal; como é que a gente sai desta?

Márcio Hervê

Sobre o tema:
  • As mudanças cada vez mais radicais trazidas pelas tecnologias œdisruptivas estão exigindo respostas cada vez mais eficientes.
    Neste cenário, é fácil entender que toda a dinâmica envolvida no planejamento e execução destes projetos será cada vez mais afetada.
    Um ponto importante refere-se à chamada cultura organizacional, uma vez que estas mudanças vão levar a novas definições sobre a função do gerente de projetos, tomadas de decisão mais ágeis, tolerância a riscos e outros.
    A proposta é uma reflexão sobre a dificuldade de aceitar a mudança, e como isto pode trazer problemas graves.